ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE PROCLAMADO INTELECTUAL DO ANO DE 2014.

ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE PROCLAMADO INTELECTUAL DO ANO DE 2014.

VIRGINIA - POEMA


VIRGINIA


O telefone tocou

e uma voz inconfundível,

macia, suave...

Deixando traduzida a emoção que sentia

revelava-me naquele instante

e eu percebia, mesmo distante,

o desejo de Virgínia.

Surpreso, mas deixando-me encantar

e levar-me pelo amável convite,

aceitei o anseio manifestado e fui levado

pela graça e pela busca do prazer.

Fui ver!

E encontrei Virginia,

aparentemente calma, mas ansiosa!

Recebeu-me com um abraço!

Fui levado para dentro do espaço

reservado do seu lar.

Talvez, pela timidez,

quem sabe, até por ser a primeira vez

que ficávamos tão sós e tão perto,

buscávamos assuntos que por certo

disfarçavam o que realmente queríamos

e onde desejávamos chegar.

Nossos olhares se cruzavam

e o brilho de nossos olhos se refletia;

falamos de poesia

dos amores vividos

dos tempos idos
dos entes queridos

numa desfaçatez perceptível

fazendo prolongar um encontro

que não queríamos que acabasse

sem que houvesse o enlace

de nossos desejos retidos.

Mais tarde, depois de refletido,

de vencermos as sensações contidas

ela veio vestida

numa camisola longa, preta,

revelando sua silhueta,

abraçando-me com fervor.

Despojou-se ardentemente

todo seu desejo de amor!

Deixou escorregar pelos ombros

as alças que sustentavam

o tecido sedoso de sua veste;

permitindo ir ao chão o que lhe cobria,

expondo de vez o que escondia...

Seu corpo, sua abrasadora vontade de ser tocada,
de ser amada,
de suspirar de prazer.

Caminhou despida,

num andar insinuante,

revelando seu corpo nu;

e debruçou na primeira parede

deixando que ali matasse minha sede;

iniciando o deleite de sentir sua pele,

seus contornos e o fervor

emitidos de suas artérias.

O colchão que estava nos esperando

não foi aquele que deitamos

e nem sequer assistiu

aquilo que o outro viu

entre nós acontecer

antes do amanhecer.

Virginia!

Como foi bom te conhecer...

Que prazer!


Roberto P. Acruche

0 comentários:

Quem Sou eu

Eu sou um caso,
um ocaso!
Eu sou um ser,
sem saber quem ser!
Eu sou uma esperança,
sem forças!
Eu sou energia,
ora cansada!
Eu sou um velho,
ora criança!
Eu sou um moço,
ora velho!
Eu sou uma luz,
ora apagada!
Eu sou tudo,
não sou nada!
Roberto P. Acruche

ESCREVA PARA MIM!

rpacruche@gmail.com
Visitas

free counter
Orbitz Cheap Ticket

Visitantes Online