ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE PROCLAMADO INTELECTUAL DO ANO DE 2014.

ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE PROCLAMADO INTELECTUAL DO ANO DE 2014.

LENDA DA BAILARINA ANA DE AUTORIA DE ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE E TEMA DE PROJETO UNIVERSITÁRIO

A lenda da Bailarina Ana
Autor: Bruna Santos C. Mattos
Orientador: Jofre da Silva

Projeto fotográfico baseado na lenda da Bailarina Ana, de Roberto Pinheiro Acruche,  realizado na Floresta da Tijuca, Rio de Janeiro.
Modelo: Fernanda Monteiro
O projeto:Como o ponto inicial do projeto é mostrar o lado místico da Floresta, foram pesquisados textos e lendas para embasá-lo. Até que a lenda “A lenda da Bailarina Ana” fosse a escolhida para basear o ensaio, em conjunto com a trova de mesmo nome que a resume.
Esta lenda representa bem o tema proposto, da magia e misticismo, por trabalhar tanto com o lado delicado do balé clássico, quanto o lado fantasmagórico, como se a bailarina nunca tivesse abandonado a floresta, mesmo após a morte.
Resumo da lenda:
Segunda a lenda de Roberto Pinheiro Acruche, Ana era uma menina do interior, que morava em uma fazenda com uma grande floresta em seus arredores, que não teve nenhuma formação no balé clássico, porém se tornou uma bailarina famosa. Com apenas os treinamentos solitários pela floresta, ela realizava os movimento do balé com delicadeza e perfeição de todas as técnicas que nunca estudou. Sua habilidade despertou a inveja das outras bailarinas que estudaram por anos e não conseguiram a fama que Ana possuía. Um dia Ana foi treinar na floresta, seu local preferido, mas nunca retornou. Como medida desesperada, seus pais mandaram derrubar todas as árvores para encontrar a filha, ficando
assim um imenso descampado por muitos anos. Até que, depois de muito tempo, nasceu na floresta uma árvore com o formato de uma bailarina executando um dos passos do balé clássico, o que era a maneira da floresta eternizá-la.
Autor da lenda: http://robertoacruche.blogspot.com.br/2010/12/lenda-da-bailarina-ana.html
Especificações:O projeto fotográfico consiste em 20 fotografias da bailarina pela floresta, onde, na exposição, cada fotografia é coberta com papel vegetal, formando uma aba a ser levantada, como uma capa translúcida que foi impressa com um trecho da trova relacionado à foto. Todas as fotografias, com suas respectivas abas, devemser  penduradas com barbante, seguindo a ordem da canção. Essa "capa" garantirá a narrativa e
guiará o expectador, além de criar um mistério, cobrindo parcialmente a fotografia. Assim, o público terá que chegar perto, ler o trecho da música referente à lenda, levantar a aba de papel vegetal e só depois analisar a foto. Um processo que criará um ar místico, misterioso e induzirá o expectador a desvendar a foto, A lenda da bailarina Ana.

0 comentários:

Quem Sou eu

Eu sou um caso,
um ocaso!
Eu sou um ser,
sem saber quem ser!
Eu sou uma esperança,
sem forças!
Eu sou energia,
ora cansada!
Eu sou um velho,
ora criança!
Eu sou um moço,
ora velho!
Eu sou uma luz,
ora apagada!
Eu sou tudo,
não sou nada!
Roberto P. Acruche

ESCREVA PARA MIM!

rpacruche@gmail.com
Visitas

free counter
Orbitz Cheap Ticket

Visitantes Online